Splendor – a última sessão de cinema

Há muito tempo atrás, eu assisti um filme sensacional, que contava a história da última sessão de um cinema.

Era um filme italiano, carregado de boas doses de humor e drama, dirigido por Ettore Scolla.

Infelizmente, não o achei mais em DVD nem em VHS. Mas hoje, procurando algo na internet, eis que surge este artigo que vale a pena ser lido, para se ter uma idéia da dimensão de encanto desse filme:

Artigo de Aramis Millarch originalmente publicado em 20 de janeiro de 1990

Se o cinema é a indústria dos sonhos iluminados projetados na tela branca, “Splendor” é mais do que um filme: é o próprio sonho.

Em torno deste filme não deveria haver críticas, ou releases: ou no máximo um poema tão profundo quanto aquele que Carlos Drummond de Andrade dedicou a Carlitos.

“Splendor” é magia do início ao fim. Um filme para quem ama o cinema, sua simbologia, seu folclore.

Em tudo a simplicidade: a história de um cinema – o Splendor, de uma pequena cidade da Itália, inaugurado nos anos 30, em plena ascensão do fascismo. Jordan (Marcelo Mastroianni), seu proprietário, filho de um caixeiro-viajante das imagens que, no início do século, levou a usina dos sonhos em projeções de cidade em cidade.

Luigi (Massimo Troisi), o projetista que vive e envelhece com o cinema. A francesa Chantal Duvivier (Marina Vlady), que chegou à pequena cidade como dançarina, apaixonou-se pelo então jovem Jordan e ficou ao seu lado, como bilheteira e indicadora. Há Cocomero, crítico de cinema (Ferruccio Castronuovo), Giovanna – a irmã de Jordan (Benigna Luchetti), o vilão Don Arno (Vernon Dobtcheff) – que a proporção que cinema entra em decadência, tenta, de todas as formas, adquirí-lo para construir um edifício comercial.

O programa de ir ao cinema nas sessões dominicais. O escurinho para os namorados. Os filmes tamanho-família. As grandes emoções.

Assim, é empatia, emoção e sensibilidade que se vê nas imagens deste filme que o perfeccionista Ettore Scolla realizou em 1988 e que conquistou Cannes, num festival em que concorria também outro filme sobre o mesmo tema – “Cinema Paradiso”, de Giuseppe Tornatore, – que acabou sendo premiado pelo júri e que, em 26 de dezembro último, valeu ao seu principal intérprete, Philip Noiret, o troféu Felix – o Oscar do cinema europeu – como melhor ator

Splendor, em distribuição da Warner, teve sua primeira exibição pública durante o VI Festival Internacional de Cinema, Vídeo e Televisão, em Fortaleza, num espaço dos mais apropriados – o cine São Luiz. Uma platéia emocionada que chegou às lágrimas vendo este filme emoção, todo empatia.

Assim como Peter Bojdanovich em “A Última Sessão de Cinema” – numa crônica maravilhosa da relação de personagens de uma pequena cidade do Texas e o cinema da cidade em seus derradeiros dias, e que Woody Allen colocou com tanta ternura em sua obra-prima “A Rosa Púrpura do Cairo” (1985), com a ingênua Cecile indo tanto ao cinema que um dia o galã de uma aventura sai da tela – também “Splendor” – e por cento, “Cinema Paradiso” – trazem esta relação de passado, sonho, fantasia. Não esquecendo também o cine Royal – no qual a pianista Celest Beaumont (Monique Sapziani) tem em “Doces Sonhos do Passado” (Les Portes Toumantes, 88, de F. Mankiewicz) os seus maravilhosos dias dourados de sonhos e ilusões.

A magia Splendor – é simples, eterno. Narrado em flash-back, conta a história do cinema de Jordan – de seus dias de glória, casas lotadas, ao melancólico final – esvaziado pela concorrência da televisão e do vídeo – e só mesmo na pornografia é atração para um público diverso daquele chic, requintado e de bom gosto que o freqüentava em seus dias de casas lotadas.

Junto com Fellini, Ettore Scolla é o grande poeta do cinema italiano. Como diretor de “A Estrada”, Scolla também faz desenhos das cenas que leva à tela – e algumas delas, com exclusividade ilustraram este texto. “Splendor” é um filme que poderia ser assinado por Fellini: a mesma emoção, a mesma sensibilidade de suas múltiplas obras-primas estão aqui – nesta crônica de um cinema do interior, que pela empatia é universal.

As últimas sessões de cinema repetem-se melancolicamente em dezenas de países. O Concine não tem uma estatística segura de quantos cinemas fecharam no Brasil, nos últimos 20 anos, mas, seguramente, foram centenas. Os vídeos, em seu aparente conforto, substituem (substituem?) a informação dos cinemas – mas não têm a mesma emoção.

Cronica originalmente publicada no Tablóide Digital

Eu concordo com este artigo. “Splendor” é indispensável para quem ama esta arte! Me fez lembrar de grandes cinemas que fecharam aqui em São Paulo, que hoje viraram igrejas, prédios comerciais, ou mesmo estão abandonados (como o fantástico Cine Comodoro, o primeiro com tela ‘gigante’, fechado na década de 90).

Infelizmente não achei nenhum trecho do filme, ou imagem para postar. Mas fica a dica.

Ed

7 comentários em “Splendor – a última sessão de cinema

  1. Colega,

    Se entendi bem, você está à procura do Splendor, de Scolla?!

    Pois, se você quiser, posso enviar-lhe uma cópia do meu DVD, legendado em português.

    Basta avisar-me, enviando uma mensagem a “pi.meli@mailnull.com”.

    PI

    Curtir

      1. Flavio!!!
        Não tenho palavras para agradecer o presente!!!
        O DVD Splendor, como vc bem disse, é um monumento à sétima arte!!!!

        Agradeço tbm pelo envio do convite do lançamento do livro do Reinaldo Braga. Farei o Possível para estar presente, mesmo porque moro em SP, e o evento ocorre no Rio. Mesmo assim, tentarei organizar minha agenda!

        Grande Abraço!!!!

        Curtir

  2. Sinto-me como uma raça em extinção no mundo em que vivemos hoje, onde não há mais aquele “glamour” nos cinemas e os “efeitos especiais” substituíram os “efeitos emocionais” … É muito gratificante encontrar pessoas que ainda tem esse sentimento e admiram a verdadeira arte em que o cinema foi concebido. É com prazer que deixo aqui, o meu comentário e fico feliz em saber que somos poucos, porém ainda estamos aqui … Abraços

    Curtir

  3. SEM DÚVIDA ALGUMA, SPLENDORE E CINEMA PARADISO, SÃO AS MELHORES OBRAS SOBRE O TRÁGICO DESAPARECIMENTO DOS NOSSOS CINEMAS. AQUELES CINEMINHAS DAS ESQUINAS. ONDE NOS EMOCIONAMOS TANTO, ONDE TROCAMOS OS PRIMEIROS BEIJOS. E ESPERÁVAMOS ANSIOSOS O PRÓXIMO CAPITULO DAS “INSÉRIES”, COMO ERAM CONHECIDOS OS SERIADOS DA ÉPOCA. ONDE SEMPRE O “MOCINHO” DAVA UM JEITO DE DESAMARRAR ÀS MAÕS ANTES QUE SEU CARRO SE ESPATIFASSE NO ABISMO. DOS COWBOYS QUE BRIGAVAM COM OS BANDIDOS DENTRO DÁGUA E SAIAM SEQUINHOS SEM DEIXAR CAIR O CHÁPEU.É, NAQUELE TEMPO, TODOS NÓS QUERÍAMOS SER “MOCINHOS”. É, AQUELE TEMPO LINDO SE FOI, OS CINEMAS TRANFORMARAM-SE, SOFISTICARAM-SE.HOJE SÓ PODEMOS ENCONTRÁ-LOS DENTRO DOS SHOPPINGS DA VIDA. NAÕ TEMOS MAIS ROY RODGERS, GENE AUTRY. EM SEUS LUGARES SURGIRAM MONSTROS TECNÓLOGICOS, EFEITOS TRIDIMENSIONAIS..NÃO EXISTE MAIS LUGAR PARA A MOCINHA INGÊNUA, QUE SÓ BEIJAVA O GALÃ NO FINAL DO FILME. DOS MUSICAIS, DOS SERIADOS.
    MAS PARA QUEM VIVEU NAQUELA ÉPOCA, SEMPRE SE LEMBRARÁ DELES, ELES CAVALGAM EM NOSSA MEMÓRIA, BEIJAM AS MOCINHAS E DANÇAM EM NOSSOS CORAÇÕES.

    Curtir

    1. Verdadeiras palavras, Cid!

      Esses dois filmes citados refletem exatamente isso….!
      Hoje os cinemas se concentramn apenas nos shoppings… e o povo que frequenta, em sua maioria, não tem a mínima noção do que realmente é “ir ao cinema”…
      Infelizmente!

      Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s