Em tempos de crise, CRIE!

Recentemente, tenho me deparado com alguns empreendedores, e parece que existe um discurso ensaiado e plenamente afinado entre eles:

CRISE!Não Se arrisca durante a crise!

São empresários que possuem empresas promissoras, produtos bem colocados no mercado.

Outros, tem uma ideia ainda não consolidada e em fase de desenvolvimento.

Mesmo assim, a temática da “crise” sempre está em primeiro plano e é usada como desculpa para não inovar, não arriscar, não desafiar as perspectivas negativas do mercado.

Concordo que nesses tempos arriscar capital ou investimento alto é perigoso, porém, existem outras maneiras!

Em tempos de crise, CRIE!

Existe uma velha história contada em salas de reuniões entre empresários:

Uma gigante fábrica de sapatos convocou dois dos seus melhores executivos de vendas e novos negócios para uma viajem à África.

A intenção era expandir os negócios. Para tanto, a empresa queria a opinião dos seus consultores.

Os dois executivos passaram uns dias lá. E, ao retornarem, cada qual deu seu relatório.

O primeiro descreveu a seguinte situação:

“Os costumes delá são estranhos. Todos andam descalços! Ninguém usa sapatos! É extremamente recomendável NÃO investir lá!”

Já o segundo, relatou o seguinte:

“Eles não usam sapatos! Desconhecem o calçado! Excelente oportunidade de negócio!”

O cenário de crise está instaurado, isso é evidente. Mas seria a crise uma barreira, ou uma oportunidade?

O empreendedor moderno tem que criar em meio as dificuldades.

Uma boa oportunidade é a diversificação.

Encontrar um meio termo que se encaixe.

No caso da fábrica de sapatos, o ambiente era de extremos.

Ninguém usava sapatos.

Investir ou não?

A saída foi investir em sandálias.

Um meio termo.

Os habitantes se sentiam confortáveis como se estivessem descalços e, ao mesmo tempo, protegiam os pés como se estivessem com sapatos.

A empresa inovou, diversificou, e encontrou um meio termo.

Muitas empresas perdem mercado insistindo em um modelo engessado, num produto que não tem mais espaço, numa filosofia empreendedora ultrapassada.

A gestão do empreendimento é absolutamente mutável!

Sim, existem princípios e métodos intocáveis, porém, dadoo cenário atual, quem não se adaptar, não resiste!

E se adaptar é ter criatividade. Ousar para se manter ativo.

Trazendo este exemplo para a nossa realidade podemos adaptar o conceito criativo implicito e desenvolver soluções em meio à crise.

Pergunte-se:

O que posso fazer de diferente para manter ou atrair novos clientes?

O que está dando certo até agora, eu vou manter. O que está errado, eu devo mudar!

Seja flexível!

Construa um tipo de negócio adaptável.

Avalie seus serviços, seu produto, sua maneira de atendimento, de entrega e execução dos prazos.

Em algum ponto você poderá melhorar e inovar.

Anúncios

Marketing de Conteúdo: Gerando conteúdo para gerar negócios

A comunicação digital é cada dia mais importante para os negócios e para as empresas.

Não se trata apenas de tecnologia, mas sim de uma mudança significativa no comportamento do consumidor.

As pessoas utilizam cada vez mais a Internet como meio de comunicação, relacionamento, entretenimento, busca e pesquisa de oportunidades.

É por isso que para que sua ideia enquanto empreendedor se solidifique, sua empresa tem que estar onde seu cliente está.

Você deve ser encontrado por aqueles que buscam seus serviços.

Para consolidar um resultado satisfatório, é necessário traçar uma estratégia de marketing eficiente.

Uma das estratégias mais eficazes é o Marketing de Conteúdo.

 

Consiste no conjunto de ações de marketing digital que visam produzir e divulgar conteúdo útil e relevante na Internet para atrair a atenção e conquistar o consumidor final.

Além de apresentar seus serviços e sua ideia, seu site, ou blog, precisa ter conteúdo relevante!

É através disso que seus clientes são atraídos para o seu site, pois as ferramentas de busca varrem este conteúdo e o exibem.

O marketing de conteúdo envolve diversas técnicas e ações, como a correta concepção do site, a otimização do site para ferramentas de busca (SEO), a construção de um blog onde as atualizações sejam constantes para indexação, páginas nas redes sociais com conteúdo correlatos para gerar engajamento, entre inúmeras outras.

São linguagens diferentes, porém giram em torno do mesmo ponto: o marketing de conteúdo.

Basicamente, funciona da seguinte forma:

Site -> Blog -> Redes Sociais -> Site

Site: é onde você apresenta seus produtos, serviços e portifolio. Ele tem um conteúdo mais institucional, porém dando ênfase ao seu ramo de ação.

Blog: é um espaço onde você trata de assuntos pertinentes ao seu universo de atuação. Publicações relativas ao interesse do seu público alvo.

Redes Sociais: é onde sua marca/ produto encontra seus clientes, interage com eles, que são direcionados ao seu site, para conhecer os seus serviços.

Note que é um ciclo. Cada qual com uma maneira de apresentar conteúdo, no entanto, todos “linkados” entre si.

Portanto, ao planejar a sua colocação na internet, tenha em mente o conteúdo.

• Quem é o seu cliente?

• O que se pretende dele?

• Que informação o cliente busca?

• O que posso oferecer como conteúdo?

Defina seu público-alvo, de forma clara e específica

Pense quem é o seu consumidor. Aquele que de fato precisa e dá valor ao seu produto. O seu cliente ideal.

Planeje o conteúdo que você pode produzir para este seu consumidor.Pense no que o seu consumidor busca na Internet antes de decidir a compra.

Não produza conteúdo para você ou sua empresa.  Produza conteúdo para atrair o seu cliente.

Não pense em produtos, pense em informações.

Pense como o seu cliente pensaria quando procura um produto ou serviço fornecido por uma empresa como a sua.

A comunicação Multidisciplinar se faz presente neste ponto, pois você terá de usar diversas formas de se apresentar a fim de alcançar seu cliente.

Conteúdo relevante gera interesse.

Interesse, gera oportunidade.

Oportunidade gera negócios.

Planeje bem, comunique-se melhor ainda!

 

Artigo publicado na nossa Coluna Semanal no Portal Negócios & Carreiras

Esteja preparado para Empreender!

Em meados de 2015, li uma pesquisa que apontava as principais tendências para Empreendedorismo em 2016.

O Texto versava sobre o “andar da Carruagem” da internet e suas prováveis ramificações para o ano seguinte (no caso, este ano!).

Comecei a notar já desde o ano passado uma convergência para essas “previsões”, e me adiantei em orientar os meus clientes a estarem sintonizados, preparados e atentos à essas mudanças.

Vamos avaliá-las:

Análise em 2015:

– Conteúdo como forma de divulgação. Adequação de sites

Investimento em geração e distribuição de conteúdo em sites e redes sociais, reafirmando as estratégias de marketing para empresas, sobretudo de pequeno porte.

Analise em 2016:

O Google não indexa mais sites não responsivos e o conteúdo é mais do que importante na execução de projetos

Análise em 2015:

– Otimização do tempo com aplicativos ou processos

Com o crescimento do acesso móbile à Internet o crescimento de aplicativos que aperfeiçoarão a utilização do tempo em afazeres domésticos ou mesmo no trabalho será crucial para empreendedores e profissionais que cada vez mais buscarão agilizar o trabalho para que possam viver a vida.

Análise em 2016:

Surgimento de diversas ferramentas de apoioe otimização de tempo, novas opções de comunicação (WhatsApp, Instagram, Skype tem se firmado em muito)

Análise em 2015:

– Relacionamento das marcas com o público

Não é novidade que as redes sociais se afirmaram no mercado e deixaram de ser coisa de adolescentes com tempo extra. Hoje grandes profissionais se utilizam das redes sociais para trabalhar, divulgar seus serviços ou produtos, bem como fazer negócio.

Análise em 2016:

Quanto mais perto uma marca possa estar de seu público nas redes sociais, mais poderá crescer e se manter perante seus concorrentes.

Análise em 2015:

– Diferenciação de mercado

Quem sobrevive em meio a crises econômicas é quem se diferencia do mercado. Para isso, nada mais importante do que melhorar os processos e principalmente oferecer mais pelo mesmo preço para que o cliente tenha certeza de que seu capital investido valerá a pena e ele terá o retorno do investimento feito.

Análise em 2016:

É necessário ser criativo para se manter no mercado.

Esses tópicos levantados pela pesquisa, nos mostram quão preparados devemos estar.

Quem empreende deve ser o primeiro a se “antenar”. É aquele quem apresenta as novidades ao seu cliente.

Portanto, quando seu cliente se der conta das novidades que estão pulsando no mercado, esteja preparado para atendê-lo em todas essas esferas.

Empreender também é orientar. E acima de tudo,estar preparado

 

Artigo da nossa Coluna Semanal no Portal Negócios e Carreiras

É necessário que seu cliente saiba que você está disposto!

Vivemos num mundo digital, onde as empresas que se destacam são aquelas que são atuantes e não desistem!

Existe uma máxima: Quem não é visto não é lembrado!
E o que você, enquanto empresário, tem feito sobre a sua empresa?

As pessoas sabem que você existe? Tem claras as oportunidades que você pode oferecer?

Tive uma surpresa recentemente. Um cliente que prestei serviços há cerca de 2 anos atras.Sim ele me procurou. Mas porque?

Porque mesmo depois do negócio fechado, dos valores recebidos, ainda assim eu ligava quase todos os dias!
“Olá! Avaliei nosso projeto… Tenho novidades!”

Nada chato, ou invasivo, mas o suficiente para o cliente perceber que eu estava interessado mais num projeto do que num contrato assinado.

Quando ele sentiu a necessidade de acrescer algo ao projeto,não teve dúvidas. Me procurou.
Eu me fiz presente. Nunca deixei que transparecesse a idéia de que apenas estava interessado no dinheiro  dele.

Claro, somos profissionais. Necessitamos de nossos ganhos e contratos. Mas antes disso, precisamos manter  vínculo.

Nos artigos anteriores, sempre falamos da necessidade de estar presente em todas as mídias.

Agora, elevemos esta afirmação para outro patamar.
É necessário que seu cliente te ache, que saiba que você está disposto a se envolver no projeto dele, e junto dele, você encontre soluções.

Sim, além de desenvolvedores, somos consultores!

Existem algum pontos importantes a serem destacados:

– O Marketing Digital deve mostrar seus serviços;
– Mais do que serviços, deve mostrar soluções!
– O cliente precisa saber que pode contar com você!

Se você apenas mantém a sua página na internet, seus perfis em redes sociais, e seu portifolio, saiba que ainda falta algo!
Você precisa sempre deixar claro seus serviços, suas soluções, e seu apoio ao projeto do cliente!

A comunicação multidisciplinar vai além de exibições na rede. Ela deve sintetizar a sua opinião, seu compromisso,suas verdades e vontades!

Faça um teste! Procure o projeto onde você mais obteve sucesso.
Você verá que aquele que se destacou, foi justamente por sua dedicação!

Comunicação multidisciplinar é se fazer visto, mas deixar claro que existe uma plataforma cheia de projetos, de ideias, e de soluções que podem ser implementadas aos contratos assinados!

Não basta ter uma grande marca. É preciso que os clientes reconheçam o profissionalismo que existe por trás dela!

Seja criativo! Ofereça soluções! Ouse! Destaque-se!
E quando seu cliente procurar por alguém, inevitavelmente vai te encontrar!

Artigo da nossa Coluna Semanal no Portal Negócios e Carreiras

O Que o Vale do Silício tem a Ensinar aos Empreendedores Brasileiros?

Na década de 90, surgiu um movimento muito poderoso no cenário musical, mais precisamente no universo do rock. O movimento Grunge. As atenções se voltaram para Seattle, nos EUA. De lá saíram bandas que fazem sucesso até hoje. Todo mundo queria ter uma banda e fazer sucesso. Até eu tive uma na época, e de vez em
quando ainda reúno os amigos pra tocar nas horas vagas – e raras!

A questão é que Seattle era tão empolgante, que qualquer banda formada lá já trazia em si o DNA do sucesso.

Nós tivemos cerca de uma década antes a nossa própria Seattle. Brasília. Onde muitas das bandas mais influentes do cenário nacional se formaram.

Quer dizer que, talento, aliado à oportunidade é igual a sucesso?

Quase isso!

Talento, aliado à oportunidade, INCENTIVO e CONDIÇÕES de DESENVOLVIMENTO!
Isso sim, é igual a sucesso.

Hoje nós temos a “Seattle” do empreendedorismo. Se chama “Vale do Silício“.

Localizado numa faixa de aproximadamente 60km do sul de San Francisco até o sul de San Jose, esse conjunto de pequenas cidades no coração da Califórnia é o oásis do empreendedorismo mundial.

Lá nasceram Apple, Google, Facebook, Intel, HP, Sales Force, eBay, Evernote, Twitter, Linkedin, Netflix, Yahoo entre diversas outras empresas de pequeno ou médio porte, mas com sua devida importância no cenário de inovação empreendedora.

O que é elaborado lá é praticamente sinônimo de sucesso. Tudo tende a dar certo!

Mas e a nossa “Brasília” do empreendedorismo?

Eis a questão! Esta ainda não existe, ou existe em partes!

Vamos avaliar o que se passa no “Vale do Silício” para podermos nos situar melhor.

Um recente estudo publicado pela Endeavour, apontou os seguintes itens:

1. Oportunidade

Quem empreende no Vale do Silício identifica a oportunidade a partir de um problema ou necessidade.
No Brasil, às vezes ocorre uma inversão: primeiro o empreendedor define o produto e depois tenta encaixar uma oportunidade.

2. Cultura Empreendedora

Lá, os alunos são estimulados a empreender desde o primeiro dia de aula. Os cursos não são desenhados para preparar os jovens a serem empregados de grandes multinacionais ou funcionários públicos. O foco deles é aprender a aprender. E o aprendizado é aplicado a resolver problemas que podem resultar na criação de
novos empreendimentos!

3. Facilidades

Em minutos você consegue abrir uma empresa nos Estados Unidos e em dias você consegue fechá-la se não der certo. Comparando com o Brasil: Meses para abrir e anos para fechar. Por lá, não há medo do fracasso, pois o fracasso de ontem é o aprendizado de hoje para o sucesso de amanhã!

4. Custos

A infraestrutura de transportes, telecomunicações, energia, logística, segurança… funciona. As startups têm incentivos fiscais reais. Os mercados consumidores de qualquer segmento são enormes, logo há mais oportunidades. O governo americadno evita criar empecilhos e malabarismos como temos por aqui, pois sabe
que são as pequenas empresas que geram empregos, inovação e giram a economia.

4. Ecossistema

Investidores-anjo, investidores seed, venture capitalists, aceleradoras, incubadoras, organismos de fomento ao empreendedorismo, startups recém-criadas, startups em franco crescimento, empresas gigantes,  universidades… o ecossistema empreendedor do Vale do Silício é maduro e explosivo! Já no Brasil não há uma
relação clara entre as partes.

Levantados estes pontos da “Seattle” Empreendedora, ficou claro o porquê de não termos a nossa “Brasília” do Empreendedorismo estabelecida e em constante evolução.

A burocracia, os altos impostos, os custos, as dificuldades impostas por Leis ou emendas, e a falta de incentivo real, contribuem para um processo lento de crescimento e inovação no cenário empreendedor nacional.

Mas há uma saída?

Sim!

É necessário mudar a filosofia empreendedora do País.

Cabe aos empresários já estabelecidos, olharem atentamente para os pequenos negócios, para os empreendedores emergentes e apoia-los.

Comprar do pequeno, incentivar o desenvolvimento, oferecer oportunidades, sejam cursos gratuitos ou apoio institucional no desenvolvimento de novos negócios.

Todo empreendedor sabe que Empreender é muito complicado, ainda mais sem o devido apoio.
Mas não podemos esperar a boa vontade do Governo.
Cada empreendedor pode fazer a sua parte.

Baseando-se no nosso cenário atual, e naquilo que aprendemos com o Vale do Silício, se você já empreende, ou quer Empreender, fique atendo à essas dicas:

– Identifique a oportunidade, depois o produto;
– Invista em você, no seu crescimento e aprimoramento profissional;
– Tenha uma rede de contatos que funcione;
– Alie-se a outros empreendedores, troque serviços e contatos
– Crie e dê oportunidades de crescimento para profissionais emergentes. Incentive-os.
– Traga para junto de si pessoas com cultura empreendedora, cheias de ideias e vontade de crescer;
– Observe o mercado.Busque contatos e costure parcerias inovadoras.

O Profissional brasileiro está entre os mais criativos do mundo. Por natureza, sempre nos adaptamos e de certa forma tocamos em frente nossos projetos, apesar de toda a burocracia existente.

Mas isso pode mudar.E a mudança começa quando os Empreendedores olham para eles mesmos… E sobretudo, olham entre si.

Artigo da nossa coluna semanal sobre Empreendedorismo no Portal Negócios & Carreiras